Pages Navigation Menu

Infecções alimentares no verão, saiba como preveni-las

intossicazione-estiva-alimenti-pe-labellers

Todos os anos, com a chegada do verão, o risco de contrair distúrbios gastrointestinais aumenta sensivelmente. Isso acontece por causa de inúmeros fatores que prejudicam os nossos hábitos alimentares.

A dieta de verão, de fato, caracteriza-se por um consumo maior de pratos frios à base de carne e peixe (ou cozidos rapidamente) ou verduras recém-colhidas e outros alimentos não desinfetados, cozidos ou conservados com as devidas precauções, como ocorre no caso de alguns alimentos ensacados ou industriais.

Em um decálogo difundido recentemente nos jornais de todo o país, a Codacons aconselha a prestar mais atenção nas datas de validade, no estado de conservação dos alimentos e nas condições higiênicas de mercados, bares, quiosques, restaurantes e qualquer ou tipo de estabelecimento deste setor.

O guia da associação de proteção dos consumidores reúne uma série de medidas muito úteis para prevenir de modo eficaz os diferentes tipos de infecções alimentares. Um método de extrema importância, principalmente no período das férias, quando é comum alimentar-se em estabelecimentos desconhecidos.

Entre os itens principais dessa lista de sugestões, ressaltamos:

  • No restaurante, desconfiar dos carrinhos com alimentos frescos deixados por um longo período fora da geladeira, tais como gelatinas, ovos, cremes, maioneses e temperos de vários tipos.
  • Ao comprar alimentos congelados no supermercado, controlar se não há resíduos de gelo fora das embalagens congeladas, sinal de má conservação.
  • Controlar no rótulo a data de validade não somente dos alimentos, mas também das bebidas. Evitar água e bebidas deixadas sob o sol.
  • Verificar a presença de abaulamentos nas embalagens de produtos tais como leite, creme, fatiados em bandeja, etc.
  • Só comprar peixe e frutos do mar de revendedores confiáveis. Verificar a data de validade desses produtos consultando os respectivos rótulos e conservando-os na geladeira por no máximo 4 dias.
  • Desconfiar dos comerciantes que tocam os alimentos com as mãos ou servem bebidas pegando os copos pela parte superior.
  • Não comprar produtos de breve conservação de quiosques e ambulantes desprovidos de câmaras frigoríficas adequadas.