Pages Navigation Menu

O hábito não faz o monge, mas o rótulo faz o vinho

A percepção da qualidade de um vinho passa também através do marketing

O rótulo certo pode influenciar o gosto e o prazer dos consumidores. Uma nova pesquisa, relatada pela revista Stile.it, destacou a notável importância das descrições nas garrafas de vinho que até atuam como um placebo, convencendo o comprador de que o sabor é indicado no texto relatado no rótulo. “Fresco, frutado” ou “macio, estruturado, com toques de baunilha e cacau” enganam a mente de quem degusta, influenciando seu julgamento. Quanto mais as descrições são preparadas e elaboradas (talvez com noções até sobre a adega, o fabricante e a filosofia empresarial) mais o vinho será sentido como produto de alta qualidade.

Foi possível testá-lo submetendo 126 consumidores a avaliar 3 vinhos brancos muito populares (riesling, chardonnay e sauvignon blanc). Na semana seguinte, as mesmas pessoas, sem consciência disso, foram convidadas a degustar os mesmos vinhos aos quais foram adicionadas algumas descrições. O resultado é que os julgamentos foram diversos e que foram sentidos como melhores os produtos que forneceram uma explicação mais detalhada e completa.

“O vinho – comentou o autor do estudo, Dr. Sue Bastian em Mailonline – vai além das atribuições sensoriais, como aromas e sabores. Uma garrafa de vinho conta também a história das pessoas que estão por trás da produção e determinam sua qualidade “. Outros fatores que influenciam a escolha dos consumidores, além do preço e marca que são fundamentais, são o estilo e o design do rótulo que deve, já a partir da estética, comunicar o produto.